Page 8 - Caminhos do Sul / Editora Expressão
P. 8





ocupação de sempre contextualizar os assuntos, foram inevitáveis algumas poucas repetições de
informações em capítulos diferentes.
Escolher um espaço geográfico como a região Sul do Brasil para definir o alcance de uma

obra é desafiador, pois muitos autores não reconhecem traços comuns fortes o bastante para
que regiões tenham uma história que possam chamar de sua. É mais usual se debruçar sobre a
formação de países, de estados ou de cidades, e não de regiões. Mas os caminhos do Sul demons-
tram que existem, sim, fortes laços que unem a região Sul desde seus primórdios. Para começar,
o Brasil meridional não despertava grande interesse econômico na coroa portuguesa, fato que
se estendeu por mais de três séculos. Tanto que o Sul não participou diretamente dos primeiros
grandes ciclos econômicos brasileiros, o do açúcar e o do ouro. Servia apenas de apoio a essas

atividades, fornecendo escravos indígenas, mulas e gado. O Sul era, entretanto, estratégico para
as pretensões territoriais da coroa portuguesa, e serviu ao mesmo tempo de linha de defesa e de
base para movimentos expansionistas sobre terras espanholas caso em que se enquadravam
originalmente todo o Rio Grande do Sul e o interior de Santa Catarina e do Paraná.
Já no século 19, após a independência, o Sul reforçaria sua identidade com a imigração eu-

ropeia, que teve características peculiares na região, o que a fez diferenciar-se radicalmente da
ocorrida em São Paulo. Os três estados do Sul receberam grande número de colonos, assentados
em pequenas propriedades rurais. Já os imigrantes que rumaram para São Paulo se limitavam a
trabalhar nas grandes lavouras de café, em substituição aos escravos, dificilmente se tornando
proprietários de terras. Dessa forma, o Sul também não participou diretamente do ciclo econô-
mico do café, cujo capital acumulado pelos seus barões financiou a grande onda de industriali-
zação do Brasil a partir dos anos 30. Sem café (à exceção do norte do Paraná) e sem investimen-

tos do poder central, o Sul financiou sua industrialização com os capitais dos comerciantes das
isoladas colônias de imigrantes. A partir daí a região finalmente se integrou ao processo de de-
senvolvimento e urbanização do século 20, porém de modo distinto do verificado no restante
do país. É isso que diferencia o Sul de outras regiões, ao mesmo tempo em que aproxima os três
estados que o compõem, permitindo a abordagem realizada nesta obra.






















Vladimir Brandão
Florianópolis, junho de 2013
   3   4   5   6   7   8   9   10   11   12   13