03/10/2014 30% da água tratada no Brasil é desperdiçada na distribuição

30% da água tratada no Brasil é desperdiçada na distribuição

Raúl Trujilo Alvarez, da entidade alemã GIZ, durante encontro na FIESC.
Foto:
Filipe Scotti.

No Brasil, 30% de toda a água tratada é desperdiçada durante a distribuição aos consumidores. No Sul, esse número é 36,4%. O principal motivo que leva a essa perda é a rede de tubulação antiga, que é mais suscetível a vazamentos, além da gestão pouco eficiente do sistema, afirmou o engenheiro da Agência de Cooperação Internacional da Alemanha (GIZ), Raúl Trujilo Alvarez. O especialista participou de seminário sobre saneamento, promovido pela Federação das Indústrias de Santa Catarina (FIESC), no dia 3/10 (sexta-feira), em Florianópolis. O evento é mais uma ação do Plano de Sustentabilidade para a Competitividade da Indústria Catarinense.

"Estamos jogando fora um volume impressionante de água. Isso não é negócio para ninguém. A água no Brasil é barata demais. Enquanto não for cobrado o custo real, não vamos otimizar o sistema", afirmou Alvarez, salientando que junto com a água também está sendo desperdiçada a energia elétrica gasta na operação do sistema para captação e tratamento. Segundo ele, o nível de perda aceitável é de até 8%, como ocorre na Alemanha.

No caso do Brasil, o consumidor também tem uma parcela de responsabilidade, explicou ele, lembrando que boa parte da estrutura de saneamento é subsidiada. Com isso, o preço pago pelo consumidor para receber água é considerado baixo se comparado aos países que cobram pela água e pela infraestrutura do sistema. "Quando pesa no bolso, é diferente", disse.

Em relação ao tratamento de esgoto, o engenheiro da Casan, Fábio Cesar Krieger, afirmou que a população urbana de Santa Catarina é de 5,2 milhões habitantes, mas só 14% desse total têm coleta e tratamento. O especialista destacou que de 1997 a 2007 não houve financiamento para o setor, o que impossibilitou novos investimentos. No entanto, a partir de 2008, com o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) mais as parcerias com instituições internacionais, essa situação mudou. De 2014 a 2017, a estatal catarinense prevê investir R$ 1,5 bilhão no abastecimento de água e no tratamento de esgoto. Serão beneficiados 31 municípios e 963 mil habitantes.

Dados da Fundação Getúlio Vargas (FGV) mostram que seriam necessários de R$ 7 a 8 bilhões para universalizar o saneamento em Santa Catarina. Em 2010, 1,4 milhão de domicílios não tinha acesso à rede de esgoto no Estado. De lá para cá, acredita-se que não tenha mudado muito. As informações foram apresentadas pelo presidente-executivo do Instituto Trata Brasil, Édison Carlos.

Na opinião do presidente da Câmara de Qualidade Ambiental da FIESC, José Lourival Magri, a infraestrutura de saneamento é tão importante quanto a infraestrutura logística (portos, aeroportos e estradas). Para reduzir os problemas na área ele acredita que um dos caminhos é a realização de parcerias público-privadas, como vem ocorrendo no setor aeroportuário. "Santa Catarina tem um bom desenvolvimento econômico e social, mas, infelizmente, no saneamento estamos entre os sete piores Estados do país. Temos que colocar o dedo na ferida. Não dá mais para conviver com isso", afirmou.

Saneamento do século 18: "A situação do saneamento no Brasil é dramática. Não é força de expressão. É ruim mesmo", afirmou Édison, do Trata Brasil. "O país parou no século 18 e 19 em saneamento", completou ele, que está à frente de uma entidade referência no acompanhamento da questão no país. Esta é uma área da infraestrutura pouco debatida e não avança apesar dos esforços de muitas instituições. "É um tema que não comove as autoridades. Visitei 25 cidades do Pantanal e a maioria não trata um litro de esgoto, vai direto para as nascentes", ressaltou.

Apesar da importância do saneamento, a população não dá o devido reconhecimento. Pesquisa do Ibope mostra que 50% dos entrevistados não estão dispostos a pagar por isso. "O brasileiro ainda acha que é um serviço que não precisa. Necessitamos da sociedade para mudar isso", disse ele.

O especialista também alertou para as doenças causadas pela falta de saneamento. Elas afetam, principalmente, crianças de 0 a 5 anos (53% dos internamentos por diarreia). Os gastos do SUS nas cidades com piores índices de saneamento é 40 vezes maior do que nos municípios que investem na área.

No encontro, o consultor do SENAI/SC, Ricardo Hubner, apresentou as ações para a área de saneamento realizadas pelo do Instituto de Tecnologia Ambiental da entidade, que atua em todo o Estado.

Fonte: Assessoria de Imprensa da FIESC.




Últimas notícias
Envio de Matérias
Portfólio editorial
Cadastro
Siga-nos no facebook

ENDEREÇO

Caixa Postal 21725
CEP 88058-970
Florianópolis - SC

CONTATO

expressao@expressao.com.br
Fone: (48) 3222-9000

Facebook Editora Expressão Twitter Editora Expressão SIGA-NOS NAS REDES SOCIAIS


Copyright © 2014 Editora Expressão. Todos os direitos reservados.