05/06/2015 Em decisão histórica, Noruega diz não ao carvão

Em decisão histórica, Noruega diz não ao carvão

"A Noruega diz tchau ao carvão! Vamos todos dizer adeus aos combustíveis fósseis" diz a arte feita pelo Greenpeace Noruega. Foto: Greenpeace.

Parlamento norueguês corta investimentos bilionários às indústrias de carvão do país; diretor-executivo do Greenpeace espera que decisão histórica influencie outros líderes.

 

Hoje (5) o parlamento da Noruega aprovou em votação unânime que o Fundo de Pensão do Governo Norueguês passará a adotar um critério de corte de investimento para empresas envolvidas na exploração e queima de carvão.

 

 “A decisão da Noruega de desincentivo ao carvão é um exemplo para outros governos – e para investidores – de que o dinheiro de energia poluentes está mudando para as fontes renováveis e limpas”, disse o diretor-executivo do Greenpeace Internacional Kumi Naidoo.

 

E não se trata apenas de um feito único: é também uma medida vigorosa e enérgica. O Fundo de Pensão Governamental Mundial (GPFG) é o maior fundo soberano do mundo e de acordo com cálculos feitos pelo Greenpeace e pelas organizações Urgewald e Future in Our Hands, os novos critérios farão com que o GPFG seja forçado a retirar investimento de 122 empresas, totalizando 7,7 bilhões de euros.

 

 “Esse é o maior corte em carvão da história, o que deve influenciar outros investidores e países a seguirem um rumo diferente”, comentou o diretor do Greenpeace Noruega, Truls Gulowsen. O critério de exclusão define especificamente que qualquer companhia que deriva mais de 30% de sua atividade do carvão será excluída do portfólio da GPFG. Isso inclui mineração de carvão e a queima do minério.

 

 “É um dia para celebrar, mas o GPFG não vai se livrar de todas as companhias de carvão de seu portfólio, e nem de seus investimento bilionários nas indústrias de óleo e gás. A Noruega ainda está envolvida com a exploração de petróleo no Ártico, então por um lado a notícia é boa, mas ainda existe muito trabalho a ser feito pelo país antes de ser considerado um ‘amigo do clima’”, defende Gulowsen.

 

Em relação ao encontro do G7 na Alemanha, durante os dias 7 e 8 de junho, a decisão da Noruega deve servir de aviso aos líderes em emissão mundial. O grupo, formado pelos sete países considerados mais poderosos do mundo, ainda não conseguiu reduzir significativamente suas taxas de emissão de gás carbônico.

 

“Essa decisão do parlamento norueguês serve de inspiração para os líderes mundiais, e espero que isso influencie o encontro do G7 e também Conferência sobre Mudanças Climátias das Nações Unidas, a COP 21, que acontecerá em Paris”, concluiu Naidoo.

Fonte: Greenpeace.




Últimas notícias
Envio de Matérias
Portfólio editorial
Cadastro
Siga-nos no facebook

ENDEREÇO

Caixa Postal 21725
CEP 88058-970
Florianópolis - SC

CONTATO

expressao@expressao.com.br
Fone: (48) 3222-9000

Facebook Editora Expressão Twitter Editora Expressão SIGA-NOS NAS REDES SOCIAIS


Copyright © 2014 Editora Expressão. Todos os direitos reservados.