06/08/2018 UNESCO anuncia 24 novas reservas naturais em 20 países

UNESCO anuncia 24 novas reservas naturais em 20 países

Arquipélago de Quirimbas, em Moçambique, uma das novas reservas da biosfera da UNESCO. Foto: UNESCO.

Para proteger a vida silvestre do planeta, a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) anunciou a criação de 24 novas reservas da biosfera. Pela primeira vez, Moçambique, na África, e Moldávia, na Europa, tiveram áreas de preservação reconhecidas pela iniciativa da agência da ONU. Zonas de conservação também foram definidas em outros 18 países.

 

Para proteger a vida silvestre do planeta, a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) anunciou em julho (25) a criação de 24 novas reservas da biosfera. Pela primeira vez, Moçambique, na África, e Moldávia, na Europa, tiveram áreas de preservação reconhecidas pela iniciativa da agência da ONU. Zonas de conservação também foram definidas em outros 18 países.

 

Com a decisão do organismo internacional, sobe para 686 o número de sítios naturais que integram a Rede Mundial de Reservas da Biosfera. O programa da UNESCO visa reconciliar a atividade humana com o meio ambiente, promovendo a gestão sustentável dos recursos naturais.

 

“Esses sítios são laboratórios de interação harmoniosa entre as pessoas e a natureza, tornando possível avanços nas ciências e no conhecimento tradicional”, afirmou a chefe da agência da ONU, Audrey Azoulay, em pronunciamento para divulgar a nova lista.

 

O organismo internacional reconheceu reservas na África do Sul, Burkina Faso, Cazaquistão, com duas novas áreas, China, Coreia do Norte, Coreia do Sul, Equador, Emirados Árabes, Eslovênia, Espanha, Holanda, Índia, Indonésia, com três novas reservas, Irã, Itália, também com dois novos sítios, Madagascar, Rússia e Tanzânia.

 

Espécie da reserva do Baixo Prut, na Moldávia. Foto: UNESCO
Espécie da reserva do Baixo Prut, na Moldávia. Foto: UNESCO.

 

“Elas (as áreas do programa da UNESCO) facilitam o compartilhamento de saberes, promovem a interação entre ciência e sociedade e ajudam a trazer melhorias concretas nas vidas das populações locais”, completou Audrey.

 

Na Moldávia, a recém-declarada reserva do Baixo Prut cobre uma área de ecossistemas de florestas, de padro e aquáticos. A agricultura garante 90% da renda dos moradores da região.

 

Em Moçambique, o sítio reconhecido pela UNESCO é o arquipélago de Quirimbas, formado por 11 ilhas que são o lar de 3 mil espécies de flores. Dessas, mil são endêmicas, ou seja, não existem em nenhuma outra parte do mundo. A região também abriga 447 espécies de pássaros, 23 de répteis e 46 de mamíferos terrestres, incluindo elefantes, leões, búfalos e leopardos, além de oito espécies de mamíferos marinhos, como baleias e golfinhos.

 

A UNESCO lembra que os ecossistemas não apenas são a base para atividades como pesca, agricultura, acasalamento de animais e turismo, mas também funcionam como habitats para aves migratórias e espécies raras ou em perigo.

Fonte: UNESCO.




Últimas notícias
Envio de Matérias
Portfólio editorial
Cadastro
Siga-nos no facebook

ENDEREÇO

Caixa Postal 21725
CEP 88058-970
Florianópolis - SC

CONTATO

expressao@expressao.com.br
Fone: (48) 3222-9000

Facebook Editora Expressão Twitter Editora Expressão SIGA-NOS NAS REDES SOCIAIS


Copyright © 2014 Editora Expressão. Todos os direitos reservados.