10/10/2016 IVC e Univille firmam parceria para preservação da Ilha da Rita na Baía Babitonga

IVC e Univille firmam parceria para preservação da Ilha da Rita na Baía Babitonga

Além de Raulino Schmitz (esq.), Mauro Ronchi, vice-presidente do IVC (centro) e Claiton Emílio do Amaral, Pró-Reitor de Extensão e Assuntos Comunitários reunidos no Campus da Univille, em Joinville, por videoconferência também participou Claudio Rudolfo Tureck, da Unidade Iperoba (Univille) de São Francisco do Sul. Foto: divulgação.

A Ilha da Rita pertence ao município de São Francisco do Sul e está localizada na Baía Babitonga, no litoral norte de Santa Catarina. Suas ruínas são vestígios de uma base naval de importância estratégica durante a Segunda Guerra Mundial e utilizada como posto de abastecimento a navios. Atualmente sob responsabilidade e posse da Univille, o IVC (Instituto Viva a Cidade) inicia estudos para a formalização de parceria com a universidade para revitalização e preservação desta que é uma das mais importantes ilhas que compõem o ecossistema da Baía Babitonga.

 

O primeiro encontro com dirigentes das duas entidades foi intermediado pelo presidente do Sindicato de Hotéis, Bares, Restaurantes e Similares de Joinville, empresário Raulino João Schmitz.

 

A Ilha da Rita reúne histórico e elementos para se consolidar como um centro de pesquisa e turismo científico de amplitude internacional, considerando-se que está inserida num dos mais importantes estuários do Planeta. 
Além de constituir-se em importante patrimônio cultural e ambiental de Santa Catarina o IVC se apresenta à parceria com a Univille para aprofundar estudos que propiciem a revitalização para fins científicos, culturais, turísticos e educacionais.
Um segundo encontro já está programado para o dia 18 de outubro, às 10h e deverá reunir mais associados do IVC para debaterem uma apresentação de projetos e estudos que será feita pelo professor doutor Claudio Tureck.

 

Entre os objetivos do IVC está o de "Intermediar e estimular a parceria, o diálogo regional e a solidariedade entre os diferentes segmentos sociais, participando junto a outras entidades de atividades que visem interesses comuns; e apoiar pesquisas, estudos desenvolvimento de tecnologias alternativas, produção e divulgação de informações e conhecimentos técnicos e científicos que digam respeito às atividades" da Oscip.

 

"Este primeiro encontro foi mais para os dirigentes da Univille conhecerem e colherem informações sobre o Instituto Viva a Cidade. O próximo encontro será mais para os ambientalistas do IVC se contextualizarem dos projetos da Univille com a ilha", diz o vice-presidente da Oscip, Mauro Ronchi. 

 

Um pouco mais sobre a Ilha da Rita

 

Em 1918 a ilha foi requisitada pela Marinha Brasileira. Em 1940 se construiu ali uma pequena base naval de abastecimento, inaugurada com grande pompa pelo Presidente Getúlio Vargas. Havia tanques de armazenamento de óleo, paióis de carvão e um pequeno alojamento. Foi instalado um aqueduto submarino desde o continente, do rio Saí, para abastecimento de água doce para os navios. Nos anos seguintes, no decorrer da segunda guerra mundial, essa base de abastecimento foi usada pelos aliados.

 

A base naval entrou em decadência depois da guerra pela diminuição de sua importância estratégica e foi parcialmente abandonada pela Marinha Brasileira. Em 1968 a União transfere a concessão de uso à administração do porto de São Francisco do Sul.

 

Antes de ter o nome de ilha da Rita, se chamava ilha de Vicente Pinto, nome de um antigo proprietário.
Inserida no ecossistema da Baía Babitonga é uma das 118 ilhas desta que é a última grande formação de manguezal do hemisfério sul, constituindo um dos mais importantes estuários da Terra.

 

 

Uma das dezenas de ilhas do ecossistema Baía Babitonga


No interior da baía encontram-se 24 ilhas; no Canal do Linguado outras 57 e no Rio Palmital mais 37. Este patrimônio natural é um complexo sistema estuarino. Estuários são considerados "berçários da vida marinha" caracterizando-se por abrigar diversas espécies em estágio inicial de desenvolvimento, devido sua reduzida salinidade, disponibilidade de alimento e heterogeneidade do habitat.

 

O estuário da Babitonga é uma massa de água costeira semi fechada que possui uma ligação livre com o mar aberto e um dos mais belos patrimônios naturais da humanidade.

Fonte: Instituto Viva a Cidade.




Últimas notícias
Envio de Matérias
Portfólio editorial
Cadastro
Siga-nos no facebook

ENDEREÇO

Caixa Postal 21725
CEP 88058-970
Florianópolis - SC

CONTATO

expressao@expressao.com.br
Fone: (48) 3222-9000

Facebook Editora Expressão Twitter Editora Expressão SIGA-NOS NAS REDES SOCIAIS


Copyright © 2014 Editora Expressão. Todos os direitos reservados.