18/03/2015 Tóquio 'aprende a lição' e hoje perde só 2% da água

Tóquio 'aprende a lição' e hoje perde só 2% da água

Foto: divulgação.

Apenas 19 anos após o fim da Segunda Guerra Mundial, o Japão projetava usar a Olimpíada de 1964 para mostrar ao mundo que já havia se reerguido da destruição quase completa.

 

Para o evento, construiu, entre outras obras faraônicas, o primeiro trem-bala do mundo. Mas surgiu então um problema inesperado: as torneiras de Tóquio secaram.

 

"Esta cidade está experimentando a falta de água mais crítica em 40 anos enquanto entra no período mais quente do verão e acelera febrilmente os preparativos para os Jogos Olímpicos, marcados para daqui a dois meses e meio", descrevia o jornal "New York Times" em sua edição de 26 de julho de 1964.

 

O principal reservatório de Tóquio, o Ogouchi, ficou com apenas 0,5% de sua capacidade (o Cantareira, na Grande SP, opera hoje com 14,5%).

 

O fornecimento de água chegou a ser cortado durante 11 horas por dia em dezenas de milhares de casas, enquanto moradores faziam fila diante de caminhões-pipa, segundo fotos e relatos da época.

 

A situação só melhorou após a construção emergencial de um canal de cerca de 17 km para levar água ao Ogouchi. O sufoco passou e a Olimpíada – a primeira transmitida via satélite – foi considerada um sucesso.

 

Para os técnicos do Departamento de Água de Tóquio, ficou a lição. A cinco anos de sediar novamente uma edição dos Jogos Olímpicos, o risco de outra crise hídrica é considerado remoto na cidade, hoje referência na administração de recursos hídricos para São Paulo e outras cidades do mundo.

 

DESPERDÍCIO

 

Entre as diversas melhorias, talvez a maior façanha da metrópole japonesa seja o índice de apenas 2% de perda de água por problemas na tubulação, um dos menores percentuais do mundo.

 

Na região metropolitana de São Paulo, o desperdício é de cerca de 19%, índice que Tóquio registrava na época da Olimpíada de 1964.

 

A diferença pode ser ainda mais alta caso se levem em conta os furtos na região metropolitana - problema inexistente no Japão. Por esse cálculo, a perda em São Paulo fica em torno de 30%.

 

Para especialistas, a redução do desperdício é uma das formas mais eficientes de ampliar a segurança do abastecimento de água.

 

Ao contrário do que se pode imaginar, o segredo não está na alta tecnologia, mas no Departamento de Recursos Humanos, explica Norifumi Tashiro, Diretor de Coordenação do Departamento de Água do Governo Metropolitano de Tóquio.

 

"Tem a questão da substituição do material do tubo, mas isso já está sendo realizado há tempos. Outro fator importante é a realização imediata do reparo após a detecção do vazamento".

 

Tóquio tem cerca de 400 fiscais com treinamento específico, incluindo um local com simulações de vazamento. A técnica mais usada, de inspeção por geofonamento – que amplifica o som do subsolo –, é praticamente idêntica à utilizada em São Paulo.

 

Quando um vazamento na tubulação é detectado, a reparação é feita no mesmo dia, segundo números oficiais.

 

A Sabesp, empresa de água do Estado de São Paulo, trabalha com um prazo de até 36 horas.

 

DISTRIBUIÇÃO

 

Graças a uma rígida lei ambiental, nenhuma fonte de água doce de Tóquio é imprópria ao consumo humano.

 

A capital japonesa também ampliou sua capacidade de produção de água, com novos reservatórios, canais e estações de tratamento.

 

Hoje, está em construção um anel de dutos para melhor distribuir a água e evitar que uma região esteja mais vulnerável, como em 1964.

 

"Estamos nos preparando para que não haja disparidades", afirmou Tashiro.

 

Tóquio, entretanto, não está imune a problemas. Há três anos, por exemplo, uma seca voltou a diminuir o nível dos reservatórios. Uma campanha publicitária com dicas de economia de água, porém, bastou para evitar problemas de desabastecimento.

 

TROCA TÉCNICA

 

De 2007 a 2010, o Japão prestou cooperação técnica à Sabesp para diminuição de desperdícios no sistema. Em 2012, emprestou R$ 860 milhões para o programa de redução de perdas da empresa paulistana.

 

Eric Carozzi, Superintendente da Sabesp, avalia, no entanto, que diferenças entre São Paulo e Tóquio, como a falta da coleta de todo o esgoto daqui, impedem que repliquemos os resultados japoneses.

Fonte: Fabiano Maisonnave / FGVces.




Últimas notícias
Envio de Matérias
Portfólio editorial
Cadastro
Siga-nos no facebook

ENDEREÇO

Caixa Postal 21725
CEP 88058-970
Florianópolis - SC

CONTATO

expressao@expressao.com.br
Fone: (48) 3222-9000

Facebook Editora Expressão Twitter Editora Expressão SIGA-NOS NAS REDES SOCIAIS


Copyright © 2014 Editora Expressão. Todos os direitos reservados.