19/10/2016 Técnicos da FAO aprovam levantamento para Inventário Florestal do Paraná

Técnicos da FAO aprovam levantamento para Inventário Florestal do Paraná

Em Irati, trabalho de técnicos da empresa Krüger Florestal, vencedora da licitação para execução dos levantamentos do Inventário Florestal do Paraná. Eles estão acompanhados de técnicos da SEMA-PR e da FAO. Na foto: Gracie Maximiano, técnica da Sema; Anne Branthomme, da FAO; Marcello Boggo, FAO; Andres Krüger, da empresa Krüeger Florestal. Foto: divulgação.

Uma tarefa solitária, escondida na mata, mas fundamental para as florestas paranaenses e brasileiras. Assim é o trabalho de campo dos cerca de 12 técnicos da empresa Krüger Florestal, vencedora da licitação para execução dos levantamentos do Inventário Florestal do Paraná.

Desde 3 de outubro, os engenheiros florestais da empresa contratada pela Secretaria Estadual do Meio Ambiente e Recursos Hídricos visitam propriedades públicas e particulares para fazer um levantamento detalhado das florestas em todo o Paraná.

Nesta terça-feira (18), o trabalho aconteceu em uma área de Vegetação Ombrófila Densa da Mata Atlântica, em uma propriedade particular do município de Palmeira, a 70 quilômetros de Curitiba, e foi acompanhado por técnicos da Secretaria do Meio Ambiente e da FAO - Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura, que faz o levantamento das florestas em vários países do mundo. Eles vieram verificar se o trabalho no Estado está dentro dos padrões e da metodologia internacional para esse tipo de pesquisa.


Esta é a primeira vez que a francesa Anne Branthomme, técnica em Silvicultura da FAO, acompanha o trabalho no Paraná. Ela, que viaja a diversos países, ficou impressionada com a variedade da flora e a qualidade de vida das árvores analisadas. “É fascinante ver o tipo de vegetação existente no Paraná. As árvores daqui são mais tortuosas, menores e mais densas. O trabalho de análise está feito exatamente de acordo com os padrões e isso será fundamental para o inventário mundial”, explica Anne.

Todos os dados coletados são enviados para o Serviço Florestal Brasileiro, que fará um documento em que constará o foi coletado no País. Depois, esse documento será enviado para a sede da FAO, na Itália, que fará um levantamento das florestas no mundo.

Para o técnico da FAO em Brasília, Marcello Broggio, o levantamento das florestas é uma necessidade para o mundo. “Este é um trabalho solitário, que não é visto, mas será sempre lembrado, já que existe a real necessidade de que algo seja feito para conter a emissão de gases do efeito estufa, por exemplo. E a mitigação só será possível quando soubermos a realidade das florestas, dos biomas de todo o mundo. O Inventário será fundamental para um planejamento a longo prazo e para a captação de recursos para o desenvolvimento de políticas que possam melhorar a vida de todos nós”, explicou Broggio.

NA PRÁTICA - Os técnicos coletam os dados das árvores de acordo com padrões internacionais. Diferente dos inventários feitos anteriormente no Paraná, que usaram imagens de satélite, este adota escala em tamanho real. A medição acontece em árvores a partir de 10 centímetros de diâmetro e a cada 100 metros é feita a contagem e o recolhimento de dados das condições de cada árvore, com um equipamento conhecido como balisa e uma bússola de alta precisão. Não é uma fiscalização. É um trabalho de pesquisa e a escolha do local não tem relação com a propriedade.

São analisadas a altura do tronco, a posição sociológica, a saúde, o diâmetro e o espaço em que se encontram. A análise precisa ser feita exatamente no ponto estabelecido a cada 20 quilômetros. Nesta última etapa, o inventário florestal será feito em municípios das regiões Sudoeste, Metropolitana de Curitiba e Litoral e, ainda, dos Campos Gerais.

Os pesquisadores coletarão informações em 161 pontos determinados pelo Serviço Florestal Brasileiro. De acordo com Andres Krüger, presidente da empresa vencedora da licitação, 20% do trabalho já foram feitos. “Desde o dia 3 de outubro estamos em campo. Já conversamos com vários proprietários para explicar o nosso trabalho antes de entrar na área. Faremos um relatório que será dividido em cinco partes. O documento ficará na Secretaria Estadual do Meio Ambiente, que vai repassar para o Serviço Florestal Brasileiro. O prazo oficial de entrega é em junho de 2017, então estamos indo bem”, avalia.

Os pontos determinados totalizam um raio de cerca de 3,2 mil quilômetros quadrados. A empresa contratada terá base em 20 municípios durante o levantamento e os técnicos estão uniformizados e identificados para a função.

INVENTÁRIO FLORESTAL - O inventário é um levantamento detalhado sobre a quantidade e a qualidade das florestas e, no Paraná, é elaborado em três fases. Esta é a última etapa. Para execução do trabalho foi firmada uma cooperação entre o Estado – por meio das secretarias do Meio Ambiente e Recursos Hídricos e da Agricultura e do Abastecimento - e o Ministério do Meio Ambiente, por meio do Serviço Florestal Brasileiro. O investimento nesta última etapa é de R$ 950 mil, com recursos do Bando Mundial, dentro do Projeto Multissetorial.

Saiba mais sobre o trabalho do Governo do Estado em: http://www.facebook.com/governopr e www.pr.gov.br

Fonte: Instituto Ambiental do Paraná (IAP).




Últimas notícias
Envio de Matérias
Portfólio editorial
Cadastro
Siga-nos no facebook

ENDEREÇO

Caixa Postal 21725
CEP 88058-970
Florianópolis - SC

CONTATO

expressao@expressao.com.br
Fone: (48) 3222-9000

Facebook Editora Expressão Twitter Editora Expressão SIGA-NOS NAS REDES SOCIAIS


Copyright © 2014 Editora Expressão. Todos os direitos reservados.