24/11/2014 Tamar registra recorde de desovas de tartarugas-oliva

Tamar registra recorde de desovas de tartarugas-oliva

Foto: divulgação Tamar.

Em 30 anos, número de ninhos aumentou em 11.700%.

 

O Projeto Tamar, fruto de uma cooperação entre o Centro Tamar/ICMBio e a Fundação Pró-Tamar, registrou em novembro de 2014 a chegada de mil tartarugas-oliva (Lepidochelys olivacea) para desovar nas praias de Sergipe e do norte da Bahia. O aumento foi observado pelos pesquisadores do Tamar nos dez primeiros dias do mês, o que indica uma recuperação considerável da espécie ao longo das últimas temporadas reprodutivas.

 

"Passamos de alguns poucos ninhos na primeira temporada, ocorrida no início dos anos 80, para mais de 10 mil na duas últimas temporadas, entre 2013 e 2014, um aumento de mais de 11.700%", comemorou João Carlos Alciati Thome, coordenador do Tamar/ICMBio.

 

O alto número de desovas em um curto período de tempo anima os pesquisadores do Projeto Tamar, que completou 35 anos de atividades no dia 20 de novembro. Para o coordenador do Tamar em Sergipe, o analista ambiental do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) César Coelho, o sucesso pela recuperação das tartarugas marinhas que ocorrem no Brasil deve-se, também, ao apoio dado pelas comunidades litorâneas, que ajudam a divulgar os trabalhos de conservação destas espécies. "Parece até que as tartarugas-oliva vieram nos dar os parabéns", brincou Coelho.

 

Na atual temporada (2014/2015), a expectativa dos pesquisadores é de aumentar o número de filhotes devolvidos ao mar em relação à última temporada, ajudando ainda mais na recuperação da espécie. "As tartarugas-oliva são uma das menores tartarugas marinhas do mundo e preferem noites com ventos fortes para desovar", pontuou o coordenador. Na última semana, foram registradas 100 desovas em uma das praias monitoradas em apenas uma noite.

 

De acordo com César Coelho, a espécie prefere noites com ventos fortes para desovar por uma estratégias de proteção, característica que diferencia esta tartaruga marinha de todas as demais. "Em poucos minutos, por conta dos fortes ventos, os rastros deixados por elas na praia são completamente apagados", finalizou o coordenador.

 

Sobre o Projeto Tamar


O Projeto Tamar realiza diversas ações para proteger as tartarugas marinhas. É fruto da cooperação entre o Centro Tamar, ligado ao ICMBio, e a Fundação Pró-Tamar. Tem o patrocínio oficial da Petrobras, por meio do programa Petrobras Socioambiental, e o apoio do Título de Capitalização Bradesco Pé Quente.

 

Desde sua criação, o Tamar prioriza pesquisas que resolvam aspectos práticos para a proteção desses animais e realiza estudos de longo prazo. Programas de marcação e recaptura de tartarugas em locais de alimentação são desenvolvidos nas áreas mais visitadas por tartarugas das espécies verde, como em Fernando de Noronha, Praia do Forte (Bahia), Ubatuba, Ceará e Vitória e de-pente (Fernando de Noronha). O trabalho permite recolher dados importantes sobre tempo de permanência desses animais em cada local, verificar as taxas de crescimento, sobrevivência e a dieta das espécies.

Fonte: ICMBio.




Últimas notícias
Envio de Matérias
Portfólio editorial
Cadastro
Siga-nos no facebook

ENDEREÇO

Caixa Postal 21725
CEP 88058-970
Florianópolis - SC

CONTATO

expressao@expressao.com.br
Fone: (48) 3222-9000

Facebook Editora Expressão Twitter Editora Expressão SIGA-NOS NAS REDES SOCIAIS


Copyright © 2014 Editora Expressão. Todos os direitos reservados.