27/02/2016 PNUD e Embrapa iniciam projeto que gera renda para comunidades tradicionais e agricultores familiares

PNUD e Embrapa iniciam projeto que gera renda para comunidades tradicionais e agricultores familiares

Floresta Amazônica. Foto: Ana Cotta/CC.

Objetivo é promover o desenvolvimento local e, ao mesmo tempo, conservar a biodiversidade brasileira. Projeto abrange três biomas em cinco regiões, envolvendo 12 espécies nativas. No total, estão mobilizadas 12 unidades da Embrapa, oito instituições parceiras e um investimento de 33 milhões de dólares.

 

Já está em execução o projeto “Bem Diverso”, fruto de parceria entre a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), com recursos do Fundo Global para o Meio Ambiente (GEF), para conservar a biodiversidade brasileira e gerar renda para comunidades tradicionais e agricultores familiares.

 

Nos dias 23 e 24 de fevereiro, pontos focais e parceiros locais do projeto participaram em Brasília (DF) do Seminário Inicial do projeto Embrapa/PNUD/GEF. No dois dias, elaboraram planejamento inicial e discutiram estratégias de execução.

 

O projeto abrange três biomas em cinco regiões, envolvendo 12 espécies nativas. No total, estão mobilizadas 12 unidades da Embrapa, oito instituições parceiras e um investimento de 33 milhões de dólares.

 

“Temos um conjunto de biomas, culturas e pessoas integradas pelo projeto, que são estratégicos não só na produção de alimentos, mas na conservação da biodiversidade”, afirmou o diretor executivo de Transferência de Tecnologia da Embrapa, Waldyr Stumpf Júnior, na abertura do seminário.

 

O projeto contribuirá para o desenvolvimento sustentável em cinco regiões: Alto Acre e Capixaba; Alto Rio Pardo; Sertão do São Francisco; Médio Mearim e Sobral e Marajó. Foto: Adilson Werneck/ Embrapa

O projeto contribuirá para o desenvolvimento sustentável em cinco regiões: Alto Acre e Capixaba; Alto Rio Pardo; Sertão do São Francisco; Médio Mearim e Sobral e Marajó. Foto: Adilson Werneck / Embrapa.

 

O diretor de País do PNUD no Brasil, Didier Trebucq, afirmou que a agência da ONU é um parceiro histórico do Brasil na busca de uma sociedade mais justa e equitativa. “É preciso quebrar a visão antagônica de geração de renda e preservação da biodiversidade como atividades oponentes”, enfatizou.

 

O projeto contribuirá para o desenvolvimento sustentável em cinco regiões, chamadas de Territórios da Cidadania – Alto Acre e Capixaba; Alto Rio Pardo; Sertão do São Francisco; Médio Mearim; Sobral e Marajó – localizados em três biomas – Cerrado, Caatinga e Amazônia – por meio do uso sustentável da biodiversidade.

 

Iniciado em 2015 e com duração prevista de cinco anos, o projeto atuará em dois eixos principais: desenvolvimento e promoção do uso de técnicas de manejo para extração e uso sustentável de produtos florestais não madeireiros e promoção de sistemas agroflorestais; e identificação dos gargalos financeiros e de mercado que comprometem o aumento da produção e da renda de comunidades agroextrativistas e agricultores familiares.

 

“Queremos trabalhar o uso sustentável da biodiversidade e valorizar os meios de vida das populações. Nosso objetivo é contribuir para o desenvolvimento sustentável desses territórios e tirar subsídios para a formulação de políticas públicas”, explicou o pesquisador da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia e líder do projeto, Aldicir Osni Scariot.

 

Também participaram do seminário inicial do projeto a secretária-adjunta do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), Lilian dos Santos Rahal; o presidente da Agência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural (Anater), Paulo Guilherme Cabral; e a chefe de Pesquisa e Desenvolvimento da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, Marília Lobo Burle.

 

Ecossistemas, espécies de plantas nativas, práticas agroextrativistas, populações tradicionais, associações de produtores, cooperativas, entidades governamentais, organizações não governamentais e unidades da Embrapa atuarão juntas no projeto.

 

Workshops regionais

 

Durante o seminário, os participantes definiram um calendário de oficinas regionais que acontecerão nos Territórios da Cidadania. Confira as datas:

 

  • De 4 a 18 de março – Workshop regional no TC Médio Mearim;
  • Dias 30 e 31 de março – Workshop regional no TC Alto Rio Pardo;
  • De 4 a 8 de abril – Workshop regional no TC Sertão do São Francisco;
  • Dias 14 e 15 de abril – Workshop regional no TC Alto Acre e Capixaba;
  • De 18 a 20 de abril – Workshop regional no TC Marajó;
  • De 25 a 29 de abril – Workshop regional no TC Sobral.

Fonte: ONU Brasil.




Últimas notícias
Envio de Matérias
Portfólio editorial
Cadastro
Siga-nos no facebook

ENDEREÇO

Caixa Postal 21725
CEP 88058-970
Florianópolis - SC

CONTATO

expressao@expressao.com.br
Fone: (48) 3222-9000

Facebook Editora Expressão Twitter Editora Expressão SIGA-NOS NAS REDES SOCIAIS


Copyright © 2014 Editora Expressão. Todos os direitos reservados.