27/06/2014

Ativistas culpam UE por negligenciar segurança energética

Ativistas estendendo banner. Foto: Eric De Mildt / Greenpeace.

Numa ousada ação durante encontro dos líderes da União Europeia (UE), realizado hoje em Bruxelas, na Bélgica, ativistas culparam as maiores empresas europeias de energia a manterem o bloco dependente de importações. O rascunho do plano de segurança energética apresentado pela UE favorece essas empresas ao prolongarem o uso de fontes de energia caras, poluentes e não confiáveis vindo de fornecedores como a Rússia.

 

Com forte esquema de segurança na sede da UE, 35 ativistas de seis países escalaram um prédio, um guindaste e uma passarela em volta do local onde os líderes do bloco econômico mais rico do mundo discutiam o futuro de sua energia. Três grandes banners mostrando um carro da UE – patrocinado pelas empresas de petróleo – caindo de um penhasco foram estendidos para pressionar os participantes que iam chegando. Os ativistas tentam agora entregar uma carta aos líderes da UE pedindo a independência energética da Europa de fontes poluentes e perigosas.


“A Europa ruma ao desastre, e os políticos estão só olhando. Grandes empresas de energia, com claro interesse em manter a Europa sob influência do óleo, gás e carvão, são as reais tomadoras de decisão”, defende Frederic Thoma, coordenador da campanha de Energias Renováveis do Greenpeace. Para ele, o bloco europeu é capaz de se sustentar com fontes de energia limpa, garantindo reais benefícios às pessoas, ao ambiente e à economia.

 

Essas influentes empresas, como Shell, BDF, E-on e RWE, mantêm pesados investimentos em combustíveis fósseis, por isso forçam o fornecimento para o bloco europeu, podando o desenvolvimento de um sistema de energia limpa, auto-suficiente e eficiente – o que representa uma ameaça para o monopólio do mercado energético em detrimento de maiores benefícios ambientais e econômicos.


Insegurança energética


A União Europeia importa mais da metade de seu óleo, gás e carvão, sendo um terço disso proveniente da Rússia, que desligou recentemente dutos de transporte que chegavam à Europa através da Ucrânia.


Um novo relatório do Greenpeace mostra que as metas para renováveis e eficiência energética que garantiriam a independência da Europa de importação de energia e combateriam as mudanças climáticas serão minguadas. A Comissão Europeia propôs uma redução das metas de emissão de carbono, de 55% em 2005 para 40%, e de investimento em energia renovável, que foi para 27% frente a 45% proposto em 2005. O documento pode ser lido aqui, em inglês.

Fonte: Greenpeace.




Últimas notícias
Envio de Matérias
Portfólio editorial
Cadastro
Siga-nos no facebook

ENDEREÇO

Caixa Postal 21725
CEP 88058-970
Florianópolis - SC

CONTATO

expressao@expressao.com.br
Fone: (48) 3222-9000

Facebook Editora Expressão Twitter Editora Expressão SIGA-NOS NAS REDES SOCIAIS


Copyright © 2014 Editora Expressão. Todos os direitos reservados.