27/11/2014 Brasil propõe diferenciar países no combate ao efeito estufa

Brasil propõe diferenciar países no combate ao efeito estufa

Raphael Azeredo e José Antonio Marcondes de Carvalho.
Foto:
Martim Garcia/MMA.

Proposta nacional que será apresentada às Nações Unidas cria metas distintas e obrigatórias de redução de gases nos países desenvolvidos e em desenvolvimento.

 

O governo brasileiro defenderá a responsabilidade diferenciada da comunidade internacional no corte de emissões de gases de efeito estufa.


A proposta começará a ser negociada a partir do dia 2/12 (segunda-feira), quando começa em Lima, capital do Peru, a 20ª Conferência das Partes (COP 20) da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC, na sigla em inglês), com a participação de representantes de 195 países.


Se aprovada, a medida estabelecerá metas distintas de redução de gases para os países desenvolvidos, que integram o chamado Anexo 1, e os países em desenvolvimento. “É uma proposta inovadora de convergência concêntrica capaz de acolher todos os países com metas específicas e obrigatórias”, afirmou, em cerimônia realizada no dia 27/11 (quarta-feira), a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, que presidirá a delegação brasileira na COP 20.


As negociações de Lima devem preparar o rascunho para o novo acordo climático, que será fechado pela comunidade internacional em Paris, no fim de 2015. Esse novo pacto global, no entanto, começará a valer a partir de 2020. “O objetivo é ampliar a ambição para que os países possam contribuir de forma decisiva para conter o aumento da temperatura global”, afirmou o Subsecretário-Geral de Meio Ambiente do Ministério das Relações Exteriores (MRE), embaixador José Antonio Marcondes de Carvalho, em entrevista coletiva realizada no dia 27/11 (quinta-feira).


TRANSIÇÃO


O período de transição para o novo acordo climático, compreendido entre 2015 e 2020, também estará no centro das negociações encabeçadas pela delegação brasileira. De acordo com Marcondes, o país defenderá o fomento à cooperação internacional no combate ao aquecimento global durante esses cinco anos, até o novo pacto começar a vigorar.


Além das metas de mitigação, o futuro protocolo deverá englobar medidas de adaptação às mudanças do clima. “A interpretação é a de que essa é uma forma de fortalecer o regime geral de clima”, afirmou o Diretor de Meio Ambiente do MRE, ministro José Raphael de Azeredo. “Os países demonstram ter consciência de que ações prévias têm mais efeito que ações tardias”, acrescentou Marcondes.


SAIBA MAIS


Apesar de ser considerado um fenômeno natural, o efeito estufa tem sido intensificado nas últimas décadas acarretando mudanças climáticas. Essas mudanças decorrem do aumento descontrolado das emissões de gases de efeito estufa, entre eles o dióxido de carbono e o metano. A emissão desses gases na atmosfera ocorre por conta de diversas atividades humanas, entre elas o transporte, o desmatamento, a agricultura, a pecuária e a geração e consumo de energia.

Fonte: Ministério do Meio Ambiente.




Últimas notícias
Envio de Matérias
Portfólio editorial
Cadastro
Siga-nos no facebook

ENDEREÇO

Caixa Postal 21725
CEP 88058-970
Florianópolis - SC

CONTATO

expressao@expressao.com.br
Fone: (48) 3222-9000

Facebook Editora Expressão Twitter Editora Expressão SIGA-NOS NAS REDES SOCIAIS


Copyright © 2014 Editora Expressão. Todos os direitos reservados.