28/08/2014

Com 0,01% do PIB, Brasil preservaria Mata Atlântica

A marmosa (Micoureus paraguayanus) é uma das mais de 1.000 espécies existentes no ecossistema.
Foto:
Thomas Püttker/Eureka/EFE.

O Brasil conseguiria preservar a Mata Atlântica investindo apenas 0,01% do seu PIB (Produto Interno Bruto), garante um estudo feito por cientistas e relatado à revista Science no dia 28/8 (quinta-feira). Os pesquisadores afirmam que US$ 198 milhões por ano (o equivalente a cerca de R$ 443 milhões) seriam suficientes para conservar a maioria das espécies e preservar muitos dos benefícios que vêm do ecossistema da floresta, tais como controle de pragas e polinização.


A quantia equivale a apenas 6,5% do que o Brasil já investe em subsídios agrícolas e menos de 0,01% PIB anual do país.


A Mata Atlântica é um dos mais importantes e ameaçados ecossistemas do mundo, contendo mais de 1.000 espécies de plantas e mais exemplares de aves que toda a Europa. Situada ao longo da costa atlântica do Brasil, já cobriu uma área de aproximadamente 1,5 milhão de quilômetros quadrados. Devido ao desmatamento, hoje tem apenas 160 mil quilômetros quadrados.


Segundo a pesquisadora Cristina Banks-Leite, do Departamento de Ciências da Vida da Imperial College London (Reino Unido), uma das líderes da pesquisa, a Mata Atlântica é menor e muito mais degradada do que a floresta amazônica, e contém uma rica diversidade biológica, sendo o habitat de mais da metade das espécies animais ameaçadas de extinção no Brasil. "Cerca de 90% da Mata Atlântica tem menos de 30% de cobertura florestal remanescente. Isso não é suficiente para garantir a sobrevivência das espécies e a manutenção de um ecossistema próspero", afirma.

 


Brachycephalus crispus vive nos 160 mil km quadrados de área que resta da floresta. Foto: Thomas Püttker/Eureka/EFE.


Para calcular os custos, os pesquisadores primeiro tiveram que registrar quais e quantas espécies vivem atualmente nas áreas intocadas e degradadas da Mata Atlântica. Ao longo de nove anos, uma equipe de mais de 100 pesquisadores liderada pelas doutoras Renata Pardini, Marianna Dixo e pelo professor Jean Paul Metzger, da USP (Universidade de São Paulo), coletaram dados sobre aves, mamíferos e anfíbios que vivem na floresta.


Usando redes ornitológicas para capturar aves e armadilhas para apanhar mamíferos e anfíbios, os pesquisadores registraram a existência de mais de 25 mil animais, divididos em 140 espécies de aves, 43 de mamíferos e 29 de anfíbios.

 


O saíra-sete-cores é uma 140 das espécies de aves que tem a Mata Atlântica como lar. Foto: Thomas Püttker/Eureka/EFE.


Eles coletaram dados em 79 regiões diferentes da floresta, em 150 km, e estimaram é necessário preservar o mínimo de 30% do habitat natural para manter um nível semelhante de funções da biodiversidade e dos ecossistemas que se encontram em áreas protegidas, como parques nacionais.


Para avaliar os custos gerais de manutenção desse mínimo, os cientistas combinaram as estimativas atuais de cobertura florestal com custos médios pagos aos proprietários particulares de terras pela desapropriação das áreas e descobriram que a preservação da floresta é viável e de baixo custo.


Já existem alguns programas no Brasil para desapropriar terra para a conservação da floresta, preservação de espécies e manutenção dos ecossistemas saudáveis, mas essa tem sido uma iniciativa em escala local, com pouco impacto na manutenção e melhoria das condições da floresta como um todo, segundo o estudo. 

Fonte: UOL.




Últimas notícias
Envio de Matérias
Portfólio editorial
Cadastro
Siga-nos no facebook

ENDEREÇO

Caixa Postal 21725
CEP 88058-970
Florianópolis - SC

CONTATO

expressao@expressao.com.br
Fone: (48) 3222-9000

Facebook Editora Expressão Twitter Editora Expressão SIGA-NOS NAS REDES SOCIAIS


Copyright © 2014 Editora Expressão. Todos os direitos reservados.