30/01/2015 10 cidades no mundo com projetos "verdes" inspiradores

10 cidades no mundo com projetos "verdes" inspiradores

Amsterdã, Holanda. Foto: divulgação.

10 cidades que trazem soluções diferenciadas para problemas tão comuns às metrópoles foram reconhecidas pelo prêmio Leadership Awards 2014.

 

Pouco mais da metade da população mundial já vive em cidades, movimento que tende a aumentar. Simultaneamente, a pressão sobre os espaços urbanos segue uma linha ascendente e constante, que exige respostas à altura dos grandes desafios ambientais da atualidade — das mudanças climáticas à demanda desenfreada por recursos naturais.


A busca pela qualidade de vida nas grandes cidades passa, essencialmente, pela criação de espaços urbanos mais sustentáveis.


Dessa cruzada, saem exemplos inspiradores, como os dessas 10 cidades, que trazem soluções diferenciadas para problemas tão comuns às metrópoles, como a poluição, as montanhas de lixo, o desperdício de energia e o caos dos transportes. Elas foram reconhecidas pelo Prêmio Leadership Awards 2014, concedido Grupo de Cidades Líderes pelo Clima (C-40) e a Siemens.

 

Shenzhen, China

Exemplo em: TRANSPORTE URBANO

 

Atormentada pela poluição, a cidade chinesa de Shenzhen resolveu dar um basta nos carros poluidores. Em 2012, o governo local lançou uma frota de mais de 3 mil ônibus e táxis movidos a energia limpa. A estratégia é priorizar o transporte público elétrico e, gradualmente, estimular a substituição dos carros particulares. Nos próximos dois anos, mais 35 mil novos veículos “verdes” devem ser incorporados à frota. O objetivo final – e de longo prazo – é zerar as emissões do setor de transporte, que responde por metade do carbono liberado pela cidade. Entre 2009 e 2013, o programa evitou a emissão de 160 mil toneladas de CO2, fazendo de Shenzhen um exemplo da luta chinesa pela despoluição do ar.

 

Buenos Aires, Argentina

Exemplo em: GESTÃO DO LIXO

 

Buenos Aires gera cerca de 6 mil toneladas de lixo todos os dias. É um problema grande para uma cidade com capacidade limitada para absorver resíduos em aterros sanitários e pouco espaço para construção de novas estações de tratamento. A solução veio de um programa especial de gestão de resíduos, que aborda desde a separação do lixo, passando pela conscientização da população à reciclagem. Em janeiro de 2014, a cidade conseguiu reduzir em 44% o volume de resíduos enviados para aterros em comparação com o ano anterior. Pensa que os portenhos estão satisfeitos? Nada disso. Eles perseguem a meta de tratar 100% dos resíduos antes de enviá-los para aterros sanitários e reduzir esse envio em 83% até 2017. De quebra, o projeto espera aumentar para 68% a taxa de reciclagem.

 

Amsterdã, Holanda

Exemplo em: DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

 

Amsterdã é um exemplo de como a proteção ao meio ambiente e o combate às mudanças climáticas podem ser incorporados na estratégia de desenvolvimento econômico de uma cidade. A capital holandesa projetou um poderoso instrumento de financiamento de US$ 103 milhões para serem investidos em projetos de energia sustentável, alguns deles com foco em empresas de pequeno porte. O fundo reduz contas de energia para os cidadãos - e os negócios - e contribui para as metas globais de redução de CO2 da cidade. Com o projeto, a prefeitura espera reduzir em 40% as emissões de carbono no ano de 2025, em relação ao ano de 1990. Em 2010, a cidade já tinha conseguido uma redução de 20%, em comparação com os níveis de 1990.

 

Londres, Reino Unido

Exemplo em: MONITORMENTO DAS EMISSÕES DE CO2 E TÁXIS VERDES

 

Em 2012, Londres tornou-se a primeira cidade do mundo a reportar todas as emissões de gases efeito estufa diretas e indiretas, seguindo os mais altos padrões de contabilidade de carbono. Com tais dados apurados, a cidade é capaz de tomar medidas eficazes sobre a mudança climática, adequando investimentos às ações de mitigação de emissões mais necessárias.

 

Táxis verdes

Outro projeto verde inspirador da cidade de Londres é a substituição dos icônicos táxis Black Cabs por modelos de baixa emissão de poluentes, como os carros híbridos. A cidade também criou um limite de idade para o carro continuar rodando, que já retiriu das ruas mais de 3 mil veículos antigos (e poluentes) . E segundo uma nova norma, todo novo táxi a ser licenciado a partir de 2018 deve ser capaz de rodar em modo “zero emissão”.

 

Portland, EUA

Exemplo em: COMUNIDADES SUSTENTÁVEIS

 

Ao longo dos últimos 30 anos, Portland, nos Estados Unidos, passou de 200.000 habitantes para 600.000 e anexou áreas adjacentes que não tinham a mesma infraestrutura das regiões centrais. Paralelamente, grande parte da cidade se desenvolveu de forma desconexa, exigindo muitas viagens de carro. Como resultado, o setor de transporte chegou a responder por 40% das emissões de carbono da cidade. Disposta a mudar esse perfil, Portland lançou a estratégia Cidade Saudável Conectada, que visa garantir “bairros completos” a pelo menos 80% da população até 2035. Ou seja, a prefeitura está trabalhando para aumentar a disponibilidade de serviços, comércio e infraestrutura adequada que reduza distâncias e facilite a mobilidade na cidade.

 

Seul, Coreia do Sul

Exemplo em: ENERGIA VERDE

 

Em 2011, 31% da eletricidade da Coreia do Sul foi produzida a partir de energia nuclear. Em um esforço para aumentar a segurança ambiental e reduzir riscos, Seul, capital do país, está trabalhando para se tornar menos dependente dessa fonte. Por isso, a cidade resolveu investir pesado em sistemas fotovoltaicos. Seul quer (apenas) funcionar como uma grande usina solar e criar comunidades autossuficientes em energia. O governo tem incentivado o investimento privado na geração de energia fotovoltaica, alugando equipamentos públicos não utilizados para geração de energia. Mais de US$ 43 bilhões de dólares já foram investidos na instalação de geradores fotovoltaicos em 285 prédios públicos. Além disso, mais de  2.500 domicílios receberam sistemas para autogeração fotovoltaica.

 

Melbourne, Austrália

Exemplo em: ADAPTAÇÃO E RESILIÊNCIA

 

Em anos recentes, Melbourne viveu condições climáticas extremas, como baixas recordes de chuvas e altas temperaturas. Em 2009, 374 pessoas morreram em toda a região metropolitana durante uma onda de calor sem precedentes. Atenta ao perigo, em 2010, a cidade lançou um programa milionário integrado à política municipal de adaptação às mudanças climáticas, que tem o plantio de árvores como uma de suas principais frentes. Ao aumentar o espaço verde para 7,6 por cento da cidade e duplicar o número de árvores, Melbourne espera resfriar em pelo menos 4 graus Celsius a temperatura média da cidade e reduzir sua vulnerabilidade à seca. A chamada infraestrutura verde oferece ainda outros benefícios: melhora a qualidade do ar, reduz a demanda de energia para refrigeração e reduz a incidência de doenças relacionadas ao calor, bem como as mortes.

 

Nova York, EUA

Exemplo em: EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

 

A Big Apple persegue a meta ambiciosa de reduzir em 30% suas emissões de carbono até 2030. No centro do desafio estão os edifícios, maiores consumidores de energia, que respondem por nada menos do 75% das emissões totais da cidade. Para isso, NY promulgou um conjunto de leis de eficiência energética voltadas, inicialmente, para os arranha-céus. Apesar de representarem apenas 2% das propriedades, os grandes edifícios respondem por 45% das emissões da cidade. Há, ainda, um programa voluntário voltado a Universidades e hospitais que se comprometem a reduzir emissões em 30% em dez anos. Ao aderir ao programa, os proprietários têm acesso facilitado na aquisição de sistemas de eficiência energética que, no longo prazo, garantirão economia para o caixa e redução do desperdício energético.

 

Barcelona, Espanha

Exemplo em: CIDADE INTELIGENTE

 

Barcelona quer tornar-se uma cidade mais inteligente, autossuficiente e hiperconectada. Para isso, adotou uma nova arquitetura de tecnologia da informação e comunicação (TIC), que fornece uma plataforma única, interligando a cidade inteira. A plataforma permite gerenciar com eficiência os recursos e reduzir o impacto da infraestrutura urbana no ambiente. Ela vai ajudar a cidade a economizar energia e reduzir a poluição, graças ao monitoramento de várias atividades, como o uso de água para irrigação, recipientes de lixo, estacionamento, fluxo de pessoas, a eficiência energética nos edifícios da cidade, entre outras frentes.

 

Taipei, China

Exemplo em: COMBATE À POLUIÇÃO DO AR

 

Os veículos automotores são a principal fonte de poluição da cidade de Taipei, na China. A fim de reduzir os impactos ambientais e criar uma cidade baixo-carbono, as autoridades criaram um sistema de monitoramento das emissões de caminhões e ônibus à diesel. Quem está dentro do padrão, recebe um selo especial. Em 2013, 4.436 ônibus e 936 caminhões a diesel já possuíam o símbolo de baixa poluição. Para combater ainda mais os nocivos poluentes e melhorar a qualidade do ar, a cidade conta, desde 2009, com sistema público de aluguel de bicicletas, o YouBike, seguindo tendência mundial. Hoje, existem 160 estações de aluguel e 5.265 bicicletas disponíveis. O número de usuários do projeto já atingiu 1,9 milhão de pessoas.

Fonte: Vanessa Barbosa/ EXAME.com.




Últimas notícias
Envio de Matérias
Portfólio editorial
Cadastro
Siga-nos no facebook

ENDEREÇO

Caixa Postal 21725
CEP 88058-970
Florianópolis - SC

CONTATO

expressao@expressao.com.br
Fone: (48) 3222-9000

Facebook Editora Expressão Twitter Editora Expressão SIGA-NOS NAS REDES SOCIAIS


Copyright © 2014 Editora Expressão. Todos os direitos reservados.