30/03/2016 Grupo Pão de Açúcar se compromete com Desmatamento Zero

Grupo Pão de Açúcar se compromete com Desmatamento Zero

Em resposta ao pedido de mais de 28 mil consumidores, o Pão de Açúcar anuncia sua nova política de compra de carne bovina.
Foto:
Geraldo Pestalozzi / Greenpeace.

Empresa de varejo atende a pedido de consumidores e anuncia publicamente sua nova política de compra de carne bovina. Agora, restante do setor precisa se mover.

 

O Grupo Pão de Açúcar (GPA) anunciou publicamente, na manhã desta quarta- feira (30), sua nova política de compra de carne bovina e um plano de ação para monitorar e bloquear fornecedores envolvidos com desmatamento e violações de direitos humanos na Amazônia. O anúncio é uma resposta a campanha Carne ao Molho Madeira, lançada pelo Greenpeace, e pode marcar o início de uma mudança de comportamento no setor varejista.

 

“O Grupo Pão de Açúcar está dando um importante passo na direção correta ao se comprometer com o Desmatamento Zero. Esta é uma clara sinalização a todos os seus fornecedores, e ao mercado como um todo, de que a carne que vem do desmatamento não é mais aceita pela sociedade”, reconhece Adriana Charoux, da campanha Amazônia do Greenpeace. “Vamos continuar monitorando o GPA para garantir o cumprimento da promessa. Falta agora que o restante do setor siga na mesma direção”, pondera.

 

No final do ano passado o Greenpeace publicou um relatório no qual analisou e ranqueou os maiores supermercados do país de acordo com suas políticas de aquisição de carne bovina da Amazônia. Dentre os três líderes do mercado, o GPA obteve a pior avaliação. Por isso, ativistas de todo o Brasil foram às lojas do Grupo para expor a ligação entre a carne vendida em suas gôndolas com a destruição da floresta, trabalho escravo e invasão de terras indígenas. A campanha contou com a participação dos próprios consumidores da rede, que foram cruciais para convencer a empresa a passar a exigir carne sem desmatamento de seus fornecedores. Foram 28.695 e-mails enviados para a companhia.

 

Em novembro do ano passado ativistas do Greenpeace realizaram uma série ações nas lojas da rede. (© Zé Gabriel/Greenpeace)

 

Junto com sua política de compras, que está disponível no site da empresa, o Grupo apresentou também um Plano de Ação. Entre as medidas propostas estão a implantação de um programa de 100% de transparência quanto a origem da carne comercializada em suas lojas, o bloqueio de fazendas envolvidas com desmatamento, trabalho escravo e confrontos com comunidades tradicionais – de qualquer tipo, a criação de ferramentas para apoiar a produção responsável de frigoríficos e entrepostos fornecedores e o acompanhamento e divulgação do processo de implementação de tais políticas. Isso deve ocorrer até junho deste ano.

 

No documento, a rede deixa claro que o desmatamento, seja legal ou ilegal, não será mais tolerado. Os fornecedores deverão oferecer “apenas carne bovina de origem responsável, que entende-se como aquela que não esteja diretamente envolvida com nenhum tipo de desmatamento”, detalha o plano.

 

Agora, o desafio está lançado para os outros supermercados que lideram o setor, como o Carrefour, segunda maior rede do país. A empresa obteve a segunda pior avaliação na pesquisa do Greenpeace e diz rejeitar somente carne de origem ilegal, nada além do que pede a lei em um contexto em que somente cumprir a lei não é suficiente para assegurar a devida proteção da floresta amazônica

 

“Os supermercados não podem mais alegar desconhecimento sobre o fato da pecuária continuar sendo a atividade que mais desmata a floresta e a que historicamente mais se vale de trabalho escravo. Já passou da hora de assumirem publicamente compromissos mais ambiciosos para salvar a floresta. Enquanto houver supermercados que admitam a entrada de carne contaminada com destruição da Amazônia em nossas casas, as condições climáticas severas relacionadas ao desmatamento irão se agravar e isso pode afetar todos os itens que abastecem a casa de milhares consumidores”, completa Adriana Charoux.

 

Entenda a campanha

 

Nas últimas décadas, mais de 750 mil quilômetros quadrados da floresta amazônica brasileira foram destruídos. Hoje em dia, a pecuária ocupa cerca de 60% das terras que antes abrigavam florestas ancestrais.

 

Há mais de dez anos o Greenpeace acompanha e monitora o avanço da Pecuária na Amazônia. Em 2009,  graças a uma intensa campanha do Greenpeace, os três maiores frigoríficos do país assinaram o Compromisso Público da Pecuária, onde se comprometeram a tirar o desmatamento da Amazônia de suas cadeias produtivas.  E, em novembro do ano passado, lançamos uma nova fase da campanha, com o relatório “Carne ao Molho Madeira – Como os supermercados estão ajudando a devastar a Amazônia com a carne que está em suas prateleiras”.

 

Gado flagrado em área embargada pelo Ibama em Aripuanã (MT), durante expedição de monitoramento de Paisagem do Greenpeace em novembro de 2015. (© Bruno Kelly/Greenpeace).

 

A partir do levantamento de informações de sete redes de supermercados o relatório mapeou como as maiores redes varejistas do Brasil vêm lidando com o problema.    O resultado foi chocante: nenhuma delas atingiu o patamar “verde”, que corresponde a um percentual de 70% a 100%. “Ou seja, a avaliação revela que nenhum supermercado consegue, hoje, garantir que toda a carne que comercializa é livre de crimes socioambientais”, resume Adriana Charoux.

 

Atualmente existem mais bois do que seres humanos no Brasil: são mais de 212 milhões de cabeças de gado – só na Amazônia o rebanho é de aproximadamente 80 milhões de animais.

 

Os supermercados têm a força e a oportunidade de gerar impacto no setor e promover uma enorme mudança na cadeia de carne bovina, e nós, como consumidores, temos o poder de pressioná-los.

 

Exija isso do supermercado onde você costuma fazer compras. Você tem este direito.  

 

Tópicos

 

Tags

 

Fonte: Greenpeace Brasil.




Últimas notícias
Envio de Matérias
Portfólio editorial
Cadastro
Siga-nos no facebook

ENDEREÇO

Caixa Postal 21725
CEP 88058-970
Florianópolis - SC

CONTATO

expressao@expressao.com.br
Fone: (48) 3222-9000

Facebook Editora Expressão Twitter Editora Expressão SIGA-NOS NAS REDES SOCIAIS


Copyright © 2014 Editora Expressão. Todos os direitos reservados.