13/08/2018 ICMBio inicia estudos para potencializar o uso de drone

ICMBio inicia estudos para potencializar o uso de drone

Curso de Drones. Foto: Rafael Xavier.

Meta é verificar a utilização dos drones para diversas atividades do Instituto

 

Servidores do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Ibama e Serviço Florestal Brasileiro (SFB) finalizaram, no último sábado (11), a capacitação sobre potencialidades do uso de drones. O objetivo do curso foi dar noções sobre o funcionamento do material para, mais tarde, medir a eficácia de seu uso nas atividades desempenhadas pelo órgão.

 

A Coordenação de Fiscalização (COFIS) adquiriu no mês de julho três veículos aéreos não-tripulados, sendo dois de asa rotativa e um de asa fixa com o objetivo inicial de contribuir nas atividades de fiscalização. No entanto, a ideia também é a de formar um grupo que possa verificar a capacidade do equipamento para contribuir em outras ações, como consolidação territorial e uso público. "O que desejamos é que os drones sejam utilizados como uma ferramenta estratégica de gestão da Unidade de Conservação, compreendendo todos os seus processos, não só o da fiscalização", explica o coordenador da COFIS, André Alamino.

 

Com a capacitação, os servidores se tornarão aptos a contribuir para a elaboração de normativas da aquisição e uso de drones. "Atualmente temos uma ampla variedade de drones, nos seus mais variados formatos e preços. Feita a análise de potencialidade de uso, vamos poder apontar qual modelo nos atende da melhor forma", diz Alamino.

 

Entre os conteúdos abordados no curso, que foi conduzido pelo analista ambiental do ICMBio Rafael Xavier e pelo analista ambiental do Refúgio da Vida Silvestre Rio dos Frades, PedroOliveira. Dentre os conteúdos ministrados estão os componentes principais (bateria, emissor, monitor e câmeras), noções de voo para asa fixa e asa rotativa, uso de sistemas de controle automático e as legislações e normas para o uso de drones (atualmente ancorados pela Anatel, responsável pela certificação de radiofrequência; ANAC e Ministério da Defesa).

 

"A parte da formação em legislação e normas vigentes foram muito importantes para nós até para segurança do próprio servidor que será responsável pela operação dos drones", destaca o técnico ambiental da Divisão de Monitoramento e Informações Ambientais (DMIF), Vítor Vasconcelos.

 

Curso de drones

 

Os participantes finalizaram o curso com uma parte prática no Ibama no Parque Nacional de Brasília. Eles viram o funcionamento e mapearam uma área de cascalheira no Parque; adquiridas as imagens, foi dada uma prévia abordagem no software de tratamento da imagem e assim obtido um mosaico.

 

Para a prática da atividade, os participantes foram divididos em três grupos para voos de testes em cada um dos drones. "Os voos serviram para aprimorar nossa técnica que foi ensinada nas aulas teóricas e nas simulações em computador", conta Vasconcelos.

 

Curso de drones (Rafael Xavier)

 

"O drone é muito versátil e pode ser usado para diversas finalidades. O SFB usará para cubagem de madeira, possibilitando, de forma mais eficiente, monitorar se a quantidade de madeira que está sendo realmente manejada é compatível com a que é permitido manejar de acordo com o Plano de Manejo Florestal Sustentável", explica a servidora do SFB, Ana Luiza Cerdeira. Já para Vasconcelos, os drones serão de grande ajuda para o geoprocessamento de áreas mais eficiente. "Os drones nos dão uma grande ajuda com imagens muito detalhadas que com certeza serão úteis para as nossas análises", pontua.

 

Drones na fiscalização

 

O ICMBio já vem utilizando drones em parcerias com outros órgãos em ações de fiscalização. Esses equipamentos podem ser empregados de maneira tática e estratégica, especialmente no geoprocessamento. "O drone traz mais segurança para o agente e mais precisão ao possibilitar trabalhos prévios de planejamento para subsidiar estratégias", explica Alamino.

 

Antes de serem utilizados em ações de operação, testes já são realizados em simulações a atividades reais mais controladas. A próxima fase será uma estruturação interna para ver qual será o locus e como será operacionalizada o uso de drones pela Instituição bem como a capacitação dos pilotos. "A princípio, o perfil desejado é disponibilidade para participar das ações de fiscalização", conclui Alamino.

Fonte: Ramilla Rodrigues - Comunicação ICMBio.




Últimas notícias
Envio de Matérias
Portfólio editorial
Cadastro
Siga-nos no facebook

ENDEREÇO

Caixa Postal 21725
CEP 88058-970
Florianópolis - SC

CONTATO

expressao@expressao.com.br
Fone: (48) 3222-9000

Facebook Editora Expressão Twitter Editora Expressão SIGA-NOS NAS REDES SOCIAIS


Copyright © 2014 Editora Expressão. Todos os direitos reservados.